Natal – Pela primeira vez na história, Florianópolis poderá ver a Estrela de Belém, que guiou os reis magos

A partir da próxima semana, os florianopolitanos que olharem em direção ao pôr-do-sol, no início da noite, poderão observar uma luz extremamente brilhante.
A luminosidade será consequência do alinhamento dos dois maiores planetas do sistema solar: Júpiter e Saturno.

O evento astronômico leva o nome de Estrela de Belém, já que o fenómeno também aconteceu no início da era cristã, servindo de referência para os reis magos encontrarem a manjedoura onde nasceu Jesus.

Reis Magos seguem a Estrela de Belém (Acervo Galeria do Meteorito)

A última vez que ocorreu esta conjunção planetária foi há 800 anos, três séculos antes da chegada dos colonizadores europeus a América.
O fenômeno poderá ser visto em todo o mundo, mas, segundo os astrônomos, os melhores lugares serão os próximos à linha do Equador.

Melhor dia: 21 de dezembro
O alinhamento de Júpiter e Saturno ocorrerá entre os dias 16 e 21 de dezembro, em horizontes abertos, imediatamente após o pôr-do-sol.
Com o passar dos dias a distância entre os pontos vai diminuir.
No dia 21 será o afastamento mínimo, parecendo ‘uma única estrela’ brilhante.

O sistema solar: em destaque Júpiter, o maior, e Saturno, com os anéis (Acervo Getty Images – BBC)

Registro bíblico
Se do outro lado do mundo, em Jerusalém, a estrela veio do Oriente, na América, virá do Ocidente.

O evangelista Mateus registra o evento na Bíblia.
Depois que Jesus nasceu na cidade de Belém, alguns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, perguntando: ‘Onde está o rei dos judeus que acaba de nascer? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”.

Explicação científica
A luminosidade no horizonte será formada por dois pontos brilhantes, muito próximos, sendo Júpiter o maior.

Registro astronômico similar foi no século 13, há 800 anos (Imagem Jornal Ciência)

Segundo os astrônomos, ouvidos pelo site RGL, as conjunções são raras porque cada planeta demora um tempo diferente para girar em torno do Sol. A Terra, por exemplo, leva um ano. Já os planetas Júpiter e Saturno completam a volta em 12 e 30 anos, respectivamente.

“Todos os corpos celestes estão em movimento. O Sol e os planetas se movimentam em uma linha no céu chamada Eclíptica. Quando ocorre um cruzamento entre os planetas a gente chama de conjunção”, afirmou Felipe Navarete, pesquisador do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, ao site RDL.

Segundo ele, o fenômeno mais similar ocorreu no século 13, há quase 800 anos.
O pesquisador explicou que, apesar de os planetas estarem próximos, a distância ainda vai ser de quase 700 milhões de quilômetros.

(A imagem de abertura foi obtida no site Encantos de Santa Catarina)

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *