No dia do 94º aniversário da Ponte Hercílio Luz é anunciado o adiamento da entrega final da reforma

Seis estacas fincadas no fundo do mar impedem a finalização das obras de reforma da Ponte Hercílio Luz.
Elas faziam parte de um conjunto de 16 colunas de ferro que deram sustentação às estruturas para suportar o peso da Ponte durante a reforma.
Dez já foram retiradas desde o início do ano pela empresa responsável, Teixeira Duarte, com a ajuda de uma equipe de mergulhadores do Rio de Janeiro.

A tarefa envolve uma complexa estratégia embaixo da água para cortar em três pedaços cada uma das estacas, que medem entre 20 metros e 33 metros.
O desmembramento é feito com um equipamento especial que utiliza cinta diamantada.

Parte de uma estaca cortada e retirada do fundo do mar (Divulgação: Secretaria da Infraestrutura)

Prazos e adiamentos:
Quando a Ponte foi reinaugurada, no final de 2019, a previsão da entrega final da obra era 20 de março.
Próximo dessa data, o governo do Estado informou que o prazo seria ampliado em 60 dias, ou seja, terminaria em 20 de maio.

Os efeitos da pandemia, no entanto, suspenderam temporariamente os trabalhos em março e início de abril, e depois foram retomados em meio expediente.
Por causa desses atrasos, a Secretaria Estadual de Infraestrutura informou nesta quarta-feira, 13, que a entrega final da obra será em junho, sem especificação da data exata.

Imagem: Billy Culleton

Iluminação cênica:
Já a iluminação decorativa da Ponte está sendo realizada por outra empresa.
O contrato entre o governo do Estado e a Energiluz, vencedora da licitação, foi assinado em março e o serviço está orçado em R$ 7,7 milhões.

Ponte da Independência:
A Ponte Hercílio Luz foi inaugurada em 13 de maio de 1926, há exatos 94 anos.
Inicialmente, receberia o nome de Ponte da Independência, mas o falecimento do idealizador da obra, o governador Hercílio Luz, em 1924, fez com que se mudasse o nome para homenagear o político.

Confira uma série de três vídeos de um minuto sobre a história da construção da Ponte, produzidos pelo governo do Estado:


0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *