O retorno da feira de hortifrutigranjeiros ao Largo da Alfândega: menor, mais dias e barracas padronizadas

Quase dois anos depois, as barracas de frutas, verduras, carnes e bolachas estão voltando ao Largo da Alfândega, no Centro da Capital.
A tradicional feira livre foi transferida para outros locais da região central (frente ao Ticen e ao lado do Camelódromo) em agosto de 2018, quando começaram as obras de revitalização da área.

Com a reforma concluída em fevereiro, os feirantes deverão retomar os seus postos originais no início de junho.

Nesta quarta-feira, 20, começaram a ser instaladas as novas bancas, padronizadas e mais estruturadas.
Objetivo foi que os comerciantes pudessem avaliar e visualizar como será o resultado final, já que o espaço de uso será menor que o antigo.
A feira ficará restrita ao espaço existente entre o prédio da antiga Alfândega e a Rua Trajano, ladeada pela Rua Conselheiro Mafra.
Antigamente, as barracas avançavam 50 metros pelo Largo da Alfândega, em direção à Avenida Paulo Fontes.

Outra mudança é com relação aos dias: a partir de junho será de segunda-feira a sábado, sendo que antes era nas terças, quartas, sextas e sábados.
Ou seja, agora, foram acrescentados mais dois dias.

A medida se justifica porque ao diminuir o espaço, foi reduzido também o número de barracas: antes, 26, agora, 16.
Assim, haverá rotatividade entre os feirantes: alguns estarão quatro dias, e outros, três ou dois.

As estruturas de alumínio são mais modernas, mas também um pouco mais complicadas de montar.
Por isso, os donos das barracas estão tentando convencer a prefeitura a deixar as barracas fixas, sem a necessidade de fazer a instalação todos os dias.

João da Luz (de preto, à dir.), se reuniu com os feirantes

Para isso, realizaram uma reunião, nesta quarta-feira, 20, com o superintendente de Serviços Públicos de Florianópolis, João da Luz.
O encontro foi a céu aberto, no Largo da Alfândega, mas ainda não se chegou a um consenso sobre o tema.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *