Videomonitoramento da Polícia identifica e multa veículos que atravessam irregularmente a Ponte Hercílio Luz

A Polícia Militar começa, nesta semana, a multar os veículos que cruzam a Ponte Hercílio Luz sem autorização.
O sistema de câmeras de videomonitoramento já está instalado nas cabeceiras insular e continental e ajudará a identificar os infratores.

Somente podem atravessar a ponte os veículos oficiais, ambulâncias, vans escolares e ônibus de transporte público.
A Polícia Rodoviária Estadual e a Guarda Municipal já fazem, regularmente, a fiscalização presencial. Porém, não as 24 horas do dia.
“Não teremos um agente somente para fiscalizar a Hercílio Luz. Então, se alguém entrar na ponte sem identificação, os trabalhadores do Deinfra ou da Teixeira Duarte, ou mesmo qualquer pessoa, podem nos acionar para verificar se o veículo tem autorização”, afirma o comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, Dhiogo Cidral de Lima, um dos responsáveis pela coordenadoria de videomonitoramento, localizada no Centro Administrativo da Secretaria de Segurança Pública, em Capoeiras, no Continente.
Assim, ao receber uma denúncia, agentes vão conferir as imagens, identificar o veículo e, se for o caso, fazer a notificação.

Mas se o videomonitoramento já estava funcionando, por que não estavam sendo feitas notificações?
“Era necessário fazer ajustes no sistema e colocar placas de advertência”, explica Lima.

Motoristas se arriscam e tentam travessia
Os trabalhadores que ainda fazem serviços na ponte são testemunhas dos inúmeros veículos sem autorização que tentam ou conseguem atravessar a ‘velha senhora’.
Alguns saem ‘ilesos’, mas outros ‘caem nas mãos’ das autoridades.
Foi o caso desta segunda-feira, 2, quando foram multados três veículos. “Um da Comcap e dois particulares”, informa o comandante do 4º Batalhão.

Comandante Dhiogo Cidral (Divulgação MRGL/SC)

No futuro, segundo ele, o ideal seria a instalação de um sistema de controle inteligente, com cancela, que abriria após o reconhecimento da placa do veículo, como existe nos pedágios. “Seria funcional e educativo”.

Confira aqui outras reportagens do Floripa Centro

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *