Abandonada desde 2008, antiga Escola Antonieta de Barros deverá ser transformada em centro cultural

O prédio onde funcionava a Escola Antonieta de Barros, no Centro de Florianópolis, deve ser transformado num centro histórico e cultural.
Essa foi a principal proposta da audiência pública promovida pela Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa, na noite de terça-feira (17), no Plenarinho, com a presença de lideranças do movimento negro e cultural da Capital.
A proposta, que busca valorizar a cultura negra catarinense, será apresentada ao governador Carlos Moisés.

Audiência no Plenarinho da Assembleia (Foto: Eduardo G. de Oliveira/Agência AL)

O imóvel, no centro histórico de Florianópolis, está abandonado desde 2008.
A edificação pertence ao governo estadual e é parte de um conjunto urbano tombado pelo município.

Em 2017, o prédio chegou a ser cedido à Assembleia Legislativa, mas em março deste ano foi devolvido.
Para revitalizar o prédio é necessária uma ampla reforma, incluindo reparos estruturais, que custaria cerca de R$ 2,5 milhões.

Conheça a história da edificação:

Imagem da década de 1940 mostra a escola à direita (Foto: acervo da Udesc)

– Inaugurado em 1926, o antigo Instituto de Educação Dias Velho (denominação recebida em 1947) era formado por dois prédios: a Escola Normal (atual Museu da Escola Catarinense) e a edificação da Escola Antonieta de Barros, com uma escada que ligava ambas.

Escada lateral ligava prédio do atual Museu da Educação com a Escola Antonieta de Barros (Foto: acervo Udesc)

– Entre 1945 e 1951, Antonieta de Barros foi diretora do Instituto e ajudou a viabilizar o Colégio Estadual Dias Velho com a criação dos cursos Ginasial (1947) e Clássico e Científico (1949).

– Em 1963, o colégio deixava o prédio da Rua Saldanha Marinho para transferir-se à Avenida Mauro Ramos, passando a chamar-se Instituto Estadual de Educação.

Registro da década de 1970 (Foto: acervo Udesc)- Até 2008, quando o prédio foi interditado, funcionou como escola de ensino fundamental.

 (Com informações do site da Alesc)

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *