Há 46 anos o aterro da Baía Sul engolia o último vestígio da Ilha do Carvão, que ficava a 500 metros da costa

Por Billy Culleton

Em 1974 a população de Florianópolis se despedia para sempre de outro “pedacinho de terra, perdido no mar”.
Há exatos 46 anos, um ano antes da inauguração da Ponte Colombo Salles, foi demolido o único prédio que ocupava a Ilha do Carvão, uma área um pouco menor que um campo de futebol e que já tinha sido ‘incorporada’ à Ilha de Santa Catarina pela construção do aterro da Baía Sul, em 1972.

A Ilha do Carvão ficava a 500 metros da antiga costa da cidade. Na época, o mar chegava até onde atualmente se encontra a Boate Fields, no entorno do Rita Maria.
Até meados da década de 1940, o local funcionava como depósito de carvão e servia para abastecer os navios a vapor que usavam o Porto de Florianópolis, desativado na metade da década de 1960.

Com o aterro, o espaço antes ocupado pela ilha recebeu uma das colunas de sustentação da Ponte Colombo Salles.

Os registros fotográficos mostram duas construções diferentes: a mais antiga, de estilo residencial, com dois andares, aparece em fotos da década de 1920, durante a construção da Ponte Hercílio Luz.

Em imagens posteriores aparece o prédio em forma de castelinho. O Floripa Centro não encontrou qualquer referência bibliográfica sobre a substituição de uma edificação por outra.

Imagem – Foto postal Colombo

O único vestígio da existência da Ilha do Carvão é a base do antigo farol, que foi preservado e encontra-se no início do trapiche usado pelos clubes de remo.
Porém, sem nenhuma placa que faça referência ao fato.

Ao centro, a base do farol, e à direita, o espaço onde ficava a ilha

Após o complexo ser desativado, uma mulher conhecida como Dona Bela passou a morar no local.
Quem conta é o manezinho Luiz Carlos Dutra de Mello, de 72 anos: “Essa senhora morou sozinha na ilha durante muitos anos. Tinha uma batera e com ela ia todos os dias ao Mercado Público para fazer as suas compras”.

Luiz Carlos Dutra de Mello mostra o local exato onde estava a Ilha do Carvão

Diretor do Clube de Remo Aldo Luz, Mello nasceu numa residência embaixo da Ponte Hercílio Luz e acompanhou o processo de desaparecimento da Ilha do Carvão. “É uma pena que acabaram com essa parte da história da cidade”, lamenta.

(Atualizada em outubro de 2020 e publicada originalmente em 10/9/2019)

Veja outras fotos:

Em 2016, foi lançado o curta “Ilha do Carvão”, de Fábio Brüggemann e Dennis Radünz. Confira:

(As fotos da época que não têm identificação são do acervo da Casa da Memória e do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina)

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *