Morador do Centro – Franklin Cascaes ganha a companhia da esposa, do discípulo e da lendária Kombi

A fachada da casa/ateliê do mais importante pesquisador da cultura açoriana em Santa Catarina, Franklin Cascaes, tem um aspecto melancólico.
A residência na Rua Júlio Moura, hoje ocupada por uma família, foi testemunha do trabalho deste manezinho, nascido em Itaguaçu em 1908, que ali transformava as histórias e costumes dos ilhéus em desenhos e esculturas.

(Atualização de 6/11/2020: a casa de Franklin Cascaes foi identificada erroneamente na reportagem original. Nos textos sobre o pesquisador existe a menção ao número 31 da Rua Júlio Moura: a partir dessa informação foi apontada a casa que atualmente possui essa numeração. Porém, o nosso leitor Beto Barreiros, indicou que a casa de Cascaes era na mesma rua, mas a 50 metros do local apontado inicialmente. Assim, segue a imagem atualizada de onde viveu o ‘bruxo’.)
Nesse local, viveu durante décadas, até sua morte em 1983, ao lado de sua mulher Elizabeth, que faleceu em 1970. Ali, também recebia o seu principal discípulo e difusor de sua obra, Gelci José Coelho, o Peninha.
Na rua, estacionava sua lendária Kombi, que levava o casal para suas pesquisas no interior da Ilha.

Franklin produzindo a escultura de sua mulher Elizabeth (Acervo UFSC)

Esses três parceiros, marcantes na trajetória de Cascaes, agora vão lhe fazer companhia no painel existente na lateral do Edifício Atlas, na esquina das ruas Tenente Silveira e Deodoro, no Centro.

O artista Thiago Valdi produziu o mural original de Franklin Cascaes em 2017.
Agora, na ‘medianeira’ ao lado, ele começou esta semana um novo painel que contará com os retratos da professora Elizabeth Pavan Cascaes, imagens do amigo Peninha e da Kombi, além de desenhos do conto Balanço Bruxólico.

Peninha (D) acompanha Cascaes (E) na abertura de uma exposição (Acervo UFSC)

Realidade aumentada
A partir da conclusão da pintura do painel, a realidade aumentada será integrada à obra ainda em dezembro deste ano.

Nova pintura será ao lado do painel original (Billy Culleton)

Apontando com o celular para a pintura, a partir da interface do aplicativo do Street Art Tour (SAT), os usuários terão acesso a conteúdos como vídeo sobre vida e obra de Franklin Cascaes, com animação de elementos do mural, em português, inglês e espanhol; fotos de trabalhos originais do artista e acervo inédito de imagens de arquivo pessoal de Franklin que foi cedido pela família.

(Na imagem de abertura Cascaes no meio de tainhas escaladas, no interior da Ilha. Reprodução do acervo do Velho Bruxo  )

Quem foi Franklin Cascaes:

Matéria relacionada:
Arte urbana – Novos murais, painéis e grafites dão vida e embelezam as ruas do Centro

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *