Morre o vendedor de amendoim mais querido do Centro

O Centro está mais triste neste final de ano.
Partiu o homem que alegrava a todos ao seu redor, sempre com uma piada na ponta da língua.

Nilson Amaral, conhecido apenas como Amendoim, sofreu um infarto na manhã desta quinta-feira, 31, no ponto de ônibus da Caieira do Saco dos Limões, próximo de sua residência.
Ele estava indo para a região central de Florianópolis para ganhar seus últimos trocados de 2020 quando desfaleceu.
O Samu foi chamado, mas nada pôde fazer.

Registro desta semana na inauguração do ‘Chopp do Mercado’, novo bar no Mercado Público

Medalha Manezinho da Ilha
Em 2017 foi homenageado pela Câmara de Vereadores com a Medalha “Manezinho da Ilha Aldírio Simões”, que reconhece os personagens relevantes da cidade.
Orgulhoso, foi uma espécie de consolo pela proibição que recebeu de vender amendoim no recém-reformado Mercado Público.

Por causa dessa restrição, entrou em depressão e sofreu um primeiro infarto, há dois anos, do qual se recuperou, após ser submetido a uma grande cirurgia no peito.

Frases marcantes
Muito parecido com o ‘baixinho da Kaiser’, era conhecido por seu bom humor, que contagiava a todos.
E o usava muito bem para fazer amizades e, logicamente, para vender amendoim aos apreciadores de chopp do Mercado Público e do entorno.

Se está ruim para nós, imagina para a classe média” e “Olha o viagra genérico, aqui, gente!

Publicitário Mauro Ferreira fez uma caricatura para o ‘site’ do Amendoim

Oferecia três medidas de amendoim, em copinhos de cachaça: o ‘bolsa família’ (pequeno), ‘vale refeição’ (médio) e o ‘cartão corporativo’ (grande).

Após ouvir algumas de suas frases era difícil não comprar alguma de suas medidas, que ele servia junto com uma gargalhada espontânea.

O Centro sentirá muita falta de sua alegria!

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *