Quer saber a localização exata dos casos de Covid na sua cidade, bairro ou rua? Acesse este mapa on line

Um mapa online permite saber exatamente onde estão localizados os casos de coronavírus em todas as cidades do Estado.
O sistema é similar ao Google Maps: ao escolher a cidade, pode-se aproximar até chegar no bairro ou rua desejada.

No Centro, maior incidência na classe alta
Chama a atenção que oito dos atuais 13 óbitos do Centro de Florianópolis (até sexta-feira, 7) estão localizados em ruas de regiões nobres: Avenida Beira Mar, Almirante Lamego, Bocaiúva, Presidente Coutinho, Rafael Bandeira, Trompowski, Almirante Alvim e Germano Wendhausen.
Também há dois registros nas avenidas Mauro Ramos e Hercílio Luz.

Já nos morros da região central, onde a maioria dos moradores tem renda mais baixa, há três óbitos: exclusivamente, no Monte Serrat.
No Mocotó, há apenas um caso ativo, sem registro de mortes.
Como funciona
Existem marcadores para identificar os casos de Covid: os pontos vermelhos correspondem aos casos ativos, e os verdes, aos curados.
Já as estrelas pretas significam óbitos.

A localização de cada caso é registrada por aproximação, geralmente, no quarteirão onde mora o paciente.
Não há a identificação do endereço exato.
Clicando em cima das marcações se obtém os dados sobre cada caso: idade do paciente, data de início dos sintomas e data da recuperação.
No caso de óbito, aparece a data em que ocorreu a morte.

O projeto foi desenvolvido por pesquisadores da Epagri, em parceria com a UFSC e três secretarias do governo estadual.
As informações que abastecem o mapa são enviadas pelas prefeituras, vigilância sanitária estadual e SUS.

Três da mesma família
Na rua Germano Wendhausen, perto do Shopping Beiramar, uma marcação chama a atenção.
Seriam três pessoas de uma mesma família: uma faleceu e duas se recuperaram.
No mapa, aparece “1 de 3” e por meio da seta pode-se obter as informações de cada um dos casos.
Mapa pretende orientar gestores
“Os dados buscam orientar os gestores sobre as tomadas de decisões no ambiente macro de cada região do Estado”, afirma Luiz Fernando de Novaes Vianna, pesquisador da Epagri, que está envolvido no projeto.

Ele explicou ao Floripa Centro que a entidade trabalha com uma pequena margem de erro quanto à localização dos casos, que podem ser influenciados por erros de digitação dos endereços, por exemplo.
“Caso exista diferença, esta será de 500 metros, em média”.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O MAPA
(Caso não apareçam as marcações, clique em “Camadas”, depois “Vulnerabilidade COVID19”, na parte inferior do mapa (celulares) ou na lateral esquerda (desktops) )
Os técnicos da Epagri informam, neste sábado pela manhã, que quando o mapa é acessado por muita gente ao mesmo tempo, fica lento e demora a carregar.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *