Anita, Getúlio e Hoepcke – Os 115 anos da ‘Praça dos Bombeiros’, o museu a céu aberto do Centro da Capital

Compartilhe:

Apoio cultural: Box 32 e CDL de Florianópolis

Inaugurada em 1906, a Praça Getúlio Vargas é a segunda mais importante de Florianópolis, depois da Praça XV de Novembro.
‘Convivem’ neste espaço figuras tão relevantes, quanto diferentes, para a história local.

Ali, encontra-se o primeiro monumento em Santa Catarina para a heroína Anita Garibaldi, construído em 1919, 70 anos após a sua morte, ocorrida em 1849.

O presidente Getúlio Vargas também é homenageado, com a reprodução da carta-testamento (ilegível), documento manuscrito endereçado ao povo brasileiro horas antes de seu suicídio, em 24 de agosto de 1954.

Na praça que originalmente era chamada de “Largo Municipal”, também está o busto de Carl Hoepcke, um dos mais importantes empresários de Florianópolis, falecido em 1924.

Próximo, podemos ver a estátua de um ilustre desconhecido para a maioria da população florianopolitana, na atualidade: o médico e político Antônio Vicente Bulcão Vianna, morto em 1940, avó do ex-prefeito Antônio Henrique Bulcão Vianna, falecido em 2007.

O belo jardim, que conta com o único chafariz do Centro, na frente do prédio da Força Pública (atual sede do Comando da Polícia Militar), recebeu o nome do ex-governador Gustavo Richard, que administrou o Estado entre 1906 e 1910.

A sexta entre as heterogêneas personagens homenageadas: o parquinho infantil recebeu o nome ‘Dona Tilinha’, para lembrar de Atília Tolentino de Souza, mulher do ex-prefeito Paulo Vieira da Rosa (1964-1966).


Ainda tem uma homenagem aos bombeiros, em 2016, na frente de uma das sedes da corporação.

E para terminar, escondida, uma placa em latim registra as árvores doadas pelo governador Hercílio Pedro da Luz, em setembro de 1922.

E uma placa de reconhecimento ao ex-governador Gustavo Richard (1906-1910).

Imagem da Casa da Memória, mostra a praça em 1914:

(A foto de abertura é do acervo da Casa da Memória. As atuais, são de Billy Culleton)

 

 

 

Compartilhe:
0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *