Espaços para convivência nas ruas – Três parklets embelezam e ajudam a humanizar locais públicos no Centro

Compartilhe:

Uma pequena praça onde antes existia uma vaga de estacionamento de automóveis na via pública se transforma num espaço para encontros, descanso e lazer.
Este é o objetivo dos parklets que estão sendo instalados no Centro da Capital, numa iniciativa da administração municipal.
Atualmente existem três em funcionamento: nas ruas Alves de Brito, Luiz Delfino e na Travessa Albertina Ganzo.

Travessa Albertina Ganzo, frente à Fábrica Working Bar

Uma pequena horta dá mais charme ao parklet do Fábrica Working Bar

Trata-se de uma ampliação da calçada a partir de uma plataforma de madeira equipada com bancos, floreiras e mesas, implantada sobre uma área antes ocupada por veículos.

Rua Alves de Brito, frente ao restaurante Toca da Garoupa

Peça de ferro para amarração de barcos ao cais enfeita parklet da Toca da Garoupa

Mesmo sendo implantado pela iniciativa privada, o local é público. Assim, é proibida a utilização exclusiva por parte do mantenedor, sendo vedada a venda de produtos e serviços nestes espaços.

Rua Delfino, na frente do restaurante-bar Delfino 146 (destacada mesinha com pregos à vista)

Mesa baixa, que pode ser confundida com banco, tem três pontas de prego aparecendo

Como aderir à Rede de Espaços Públicos da Prefeitura de Florianópolis
O mantenedor, como é chamado o proponente interessado em instalar o parklet, deve primeiramente, consultar a viabilidade de localização no Pró-Cidadão.
Com a localização aprovada, o requerente deve solicitar à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, a autorização de instalação.


Depois, o requerente pode iniciar o processo de implantação. Ao abrir para o uso da comunidade, o parklet deve ser mantido sempre em bom estado de conservação, garantindo segurança e conforto para efetiva apropriação.
O projeto deve seguir as diretrizes do Manual de Parklets, que pode ser acessado no site da Prefeitura de Florianópolis pelo link “bit.ly/ManualDeParklets”.

(Com informações da PMF)

Compartilhe:
0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *