Patrimônio cultural – Loja de celulares abrirá no local do Ponto Chic, mas cafezinho no balcão continua

Compartilhe:

O abre-e-fecha do Café Ponto Chic, na esquina mais popular de Florianópolis, tem um novo capítulo.

Após fechar no final de março, o local foi alugado para ser uma loja de acessórios de celulares, que deve abrir em junho.
Mas o tradicional café permanecerá, ocupando um espaço de 5 metros quadrados.

Isso porque o locador é obrigado a destinar parte do ambiente para um dos patrimônios culturais imateriais da cidade: o também chamado Senadinho.

A loja de celulares deve seguir a mesma distribuição do Banco IBI (Google Street 2016)

Essa experiência já aconteceu com o Banco IBI, que ocupou o lugar entre 2005 e 2018.
O cafezinho era servido num balcão de frente ao Calçadão, bem na ‘esquininha’ da loja, e os frequentadores podiam apreciar a bebida nas mesinhas instaladas na calçada.

Também é exigido do locador que mantenha as placas de identificação com os nomes Café Ponto Chic e Senadinho.

Local fechou em março, após 10 meses aberto (Billy Culleton)

História
O Ponto Chic foi inaugurado em 1948 e se transformou num dos mais tradicionais espaços da cidade.

Em 1979, o local também passou a ser chamado de Senadinho, após ser criada a confraria “Senatus Populusque Florianopolitanus” (“Senado Popular Florianopolitano”), e fazia referência a uma célebre figura da cidade, Alcides Hermógenes Ferreira.

Assíduo frequentador do Ponto Chic e sempre elegantemente vestido, ele era chamado de senador.

Figueiredo e Jorge Bonnhausen apreciam um cafezinho, instantes antes do tumulto com os estudantes (Casa da Memória)

O comércio foi palco do famoso incidente entre o presidente João Figueiredo e manifestantes, que entraram em confronto, em 30 de novembro de 1979, num dos episódios da Novembrada.

(A imagem de abertura, da década de 1960, é acervo do proprietário Gentil Cordioli Filho, publicada no artigo “Café Ponto Chic e as transformações urbanas em Florianópolis”, de Isabella Cristina de Souza)

Compartilhe:
0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *