Submersos no mar – Estado pagará R$ 7 milhões para recuperar seis blocos de fundação das pontes

O governo do Estado escolheu a empresa Teixeira Duarte (a mesma da Ponte Hercílio Luz) para realizar as obras de recuperação estrutural das pontes Pedro Ivo Campos e Colombo Machado Salles, em Florianópolis.
O valor para a execução do serviço é R$ 6,98 milhões e a previsão é que seja concluída em 180 dias, a contar da emissão da ordem de serviço.

A contratação da empresa, anunciada nesta quarta-feira, 20, foi definida após um laudo técnico solicitado pela Secretaria de Infraestrutura do Estado, em dezembro de 2019 e concluído em fevereiro de 2020, apontar a necessidade de recuperar emergencialmente seis blocos das estruturas.
O laudo técnico mostra grave processo de corrosão, com armaduras rompidas e expostas.

Divulgação: Laudo RMG Engenharia

Ao todo, são 18 blocos submersos, nove em cada ponte. As obras emergenciais serão feitas em três blocos da Pedro Ivo e três, da Colombo Salles.

Reforma geral foi orçada em R$ 29,6 milhões, mas deve chegar a R$ 40 milhões
Desde fevereiro de 2019 está em andamento uma reforma geral das duas pontes, cujo contrato assinado com a vencedora da licitação, a Cejen Engenharia Ltda, foi de R$ 29,6 milhões.

Imagens: Billy Culleton

Mas em novembro, o governador Carlos Moisés informou que as obras vão exigir mais recursos. A informação foi divulgada pelo colunista Fábio Gadotti, do NDMais.
Segundo o governador, os técnicos constaram a necessidade de reparos nas estruturas que não estavam previstos anteriormente.
O valor dos serviços na parte estrutural ainda não foi definido, mas a expectativa é que ultrapasse os 25% previstos pela legislação para aditivos em contratos.  Nesse caso, será necessária fazer uma nova licitação.
Ou seja, apenas somado esse percentual de 25% o valor atingiria R$ 37 milhões…

A atual reforma inclui a recuperação estrutural nos pilares (fora da água) e atividades de jateamento e pintura em toda a extensão das pontes.

(Com informações da Secretaria de Estado da Infraestrutura)

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *