Nenhum caso na Capital – Por que as pessoas em situação de rua não se contaminam com Covid?

Na semana passada, a Prefeitura de Florianópolis realizou mais um mutirão de testagem para o Coronavírus em pessoas em situação de rua atendidas na Passarela da Cidadania, no Centro da cidade.
O resultado? Nenhum registro positivo entre os 80 testados, mantendo a estatística de nenhum caso confirmado deste público até agora no município.

Esse panorama de baixíssimo contagio se reproduz em todas as cidades brasileiras, apesar das previsões pessimistas iniciais, em razão da vulnerabilidade social desta população.

Ana Cristina Vidor

Epidemiologista aponta fatores
“Considero muito importante discutir o tema porque, de fato, chama a atenção a baixa incidência de casos de Covid-19 entre as pessoas em situação de rua”, afirma a gerente de Vigilância Epidemiológica de Florianópolis, a médica epidemiologista Ana Cristina Vidor.
Como ainda não existem pesquisas sobre o tema, ela aponta algumas hipóteses, baseadas na sua experiência lidando com a doença nos últimos meses.

“Uma característica desse público é estar, na maioria do tempo, em espaços abertos, ao ar livre”.

Outro fator é que existe pouca aglomeração. “Por uma questão territorial, eles mantêm o distanciamento”.
Estas duas particularidades (convivência em espaços fechados e aglomeração) estão entre as principais vias de contagio do vírus, segundo Vidor.

E o álcool consumido pela maioria desse público pode ter alguma influência?
“Não, nenhuma. O álcool só faz bem do lado de fora do corpo!”, enfatiza a médica.


Em maio, ministra apresentou uma teoria sobre o tema

A ministra Damares Alves, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, afirmou, em 7 de maio, que poucos moradores de rua adoecem de Covid-19 porque “ninguém pega na mão deles”.
Ainda durante a fala, ela lamentou esta possível motivação.

Hotel gratuito sem uso
Desde o início da pandemia a prefeitura oferece, gratuitamente, um hotel no Centro para isolar as pessoas em vulnerabilidade social com sintomas da doença.
Porém, esse serviço tem sido pouco utilizado.
Em abril, 11 pessoas chegaram a ocupar o hotel por apresentarem patologias semelhantes à Covid, mas, na sequência, exames mais específicos descartaram a doença.

Confira a matéria:
—- Moradores de rua com sintomas de coronavírus são isolados em hotel do Centro de Florianópolis

Em julho, o estabelecimento foi ocupado por apenas uma pessoa, que também teve a doença descartada.
Confira a matéria:
—- Florianópolis tem 2,2 mil casos ativos, mas ninguém quer se isolar em hotel gratuito da prefeitura no Centro

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *